terça-feira, 21 de agosto de 2007

CONCURSO DE DESING PROMOVIDO PELO MUSEU DA CASA BRASILEIRA.

O Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira é um prêmio anual destinado a Designer, Arquitetos e afins. Seu foco sempre esteve voltado ao design de produto, mas desde a 18ª edição, promove um concurso de desing gráfico para definir a identidade visual do prêmio.
Abrindo espaço para a segunda geração de designers contemporâneos, no 15º Prêmio levantou-se questões importantes referente a qual design estamos praticando. Ethel Leon, Jornalista e também membro da comissão julgadora, levantou alguns comentários em relação ao Prêmio na tentativa de colaborar com concursos futuros.
Questiona, portanto, o que se pretende mostrar? Um time de novos designer, ansiosos pra criar, porém ainda no banco de reservas? O enfoque deve estar voltado as grandes empresas, entendendo que o esforço do design não se dá sem a indústria? O papel do Museu seria o de um banco de negócios? Ou se propõem a uma tarefa cultural, identificando nas áreas afins ao grande tema do Museu – a Casa Brasileira – entendendo o design de forma ampla, como projeto não somente de coisas, mas de informação e de serviços, que mostrem avanços, originalidade, novas concepções com um importante papel cultural?
Somente de uma clara definição pode se realizar qualquer concurso. Um concurso de idéias com um ou mais objetivos específicos.
Desta forma analisando o design contemporâneo, vemos que as bases do design brasileiro sempre originaram-se de uma estética que podemos chamar de “ estética do possível”. Por quê? Razões como a falta de formação, apoio da Indústria, dimensões reduzidas de mercado que não é exportador. Quando falamos de falta de formação, falamos de adequação de idéias inovadoras e do marketing do projeto para fazê-lo aceito pela indústria. Desta forma, tendo por base todos os concurso, prêmios, amostras de design, temos uma prova de que a maioria dos jovens designer não tem esta formação necessária para lançar um objeto no mercado, nem assumir seu posto na indústria.
É suficiente este design possível que se está praticando? Quais questões precisam ser discutidas e analisadas? Definição de identidade? Quais as prioridades: capacitação artesanal ou tecnológica?
De que design se está falando? Aquele que já é praticado por grandes empresas, grandes pólos como o mobiliário, automobilístico, que já exportam, mas sem reais valores agregados, ou aquele da pequena indústria, que precisa descobrir, procurar suas saídas, desde o fornecedor de matéria prima até o ponto de venda.
Na 20ª edição do Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira que aconteceu no ano de 2006 dentre as categorias já presentes como o Mobiliário, Utensílios, Iluminação, dentre outros, está a Categoria Novas idéias/Conceitos, talvez como forma de se buscar assumir uma nova identidade no Design atual. Visitando esse Site, é possível ter uma noção de como este prêmio acontece.
http://www.mcb.sp.gov.br/mcbPremio.asp?sMenu=P003&sPremio=PPD

Ainda entende-se o Design como algo somente relacionado ao projeto e a Indústria, em que o Designer tem o compromisso prioritário com a produtividade do processo de fabricação. O grande papel do Design contemporâneo é o Compromisso Social, um Design que chegue a todos em todos os lugares, um Design que agrega qualidade e não só custo, funcionalidade não apenas glamour, com idéias criativas e inovadoras capazes de mostrar sua evolução em relação ao aproveitamento de materiais, com atitudes que enfoquem o aproveitamento consciente da natureza, e desta forma sirvam de exemplo. Uma boa iniciativa pode ser conferida nesta pagina do Prêmio Planeta Casa.
http://casa.abril.com.br/casaclaudia/planeta/2005/index.shtml

Não sendo suficiente o Design que se está praticando, falta, portanto, projetos que desenvolvam um design ecologicamente correto, socialmente justo e comercialmente possível, praticando a sustentabilidade.


No site do Salão Design – A Casa Brasil 2007, é uma feira de negócios, mas também objetiva dar visibilidade a novos talentos, apresentando produtos contemporâneos dos séculos XX e XXI. Podemos ver produtos muito interessantes de uma criação atual, criativa, que mostram um pouco do estilo do novo design. É um prêmio que vem atender a um público alvo, indústrias, profissionais, estudantes e escolas. Apresenta uma variedade de utilidades domésticas, acessórios para decoração, cutelaria, têxteis, móveis, luminárias, que abrangem o universo de uma casa.
http://www.casabrasil.com.br/salao_design/site/home.php



Joice Zwirtes
Revista ARC Design – Nº22 – 2001

3 comentários:

Wendel Azevedo disse...

Nossa JOICE,parabéns pelo seu resumo,muito interessante para nós que estamos engatinhando ainda no ramo de DESIGN,é uma grande base para nós nos informarmos e aprendermos um pouco.
Já pensaram nós com projetos e equipes premiados na próxima edição do cocurso??
HOJE É SONHO,MAS AMANHÃ PODE SER REALIDADE!

Daniel Confortin disse...

Joice, escolheu muito bem o assunto agregando links de qualidade. Essa questão sobre o design social e suas possibilidades são realmente o foco da nossa prática profissional atual.
Quanto aos concursos, como o Planeta Casa, temos que nos organizar e participar... vou fazer uma listagem dos que estão por vir para que possamos programar algo.
Parabéns!

Ana Goul disse...

Concordo com WENDEL, já conversei com pessoas frustadas ao ter feito DESIGN e pessoas bem sucedidas, como essa concurso.
Repito as palavras de Wendel
Hoje é sonho amanhã.....