sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Anos 60,Movimento Hippie (contracultura).

Os anos 60, acima de tudo, foi um período de explosão de juventude em todos os aspectos. Era a vez dos jovens, que influenciados pelas idéias de liberdade começavam a se opor à sociedade de consumo vigente. O movimento, que nos 50 vivia recluso nos EUA,
passou a caminhar pelas ruas nos anos 60 e influenciaria novas
mudanças de comportamento, como a contracultura e o pacifismo
do final da década.Durante essa década, o reduto jovem mundial
e transferiu para São Francisco (EUA), região portuária que
recebia pessoas de todas as partes do mundo e também por isso,
berço do movimento hippie, que pregava a paz e o amor.


Manifestações e palavras de ordem mobilizaram jovens em
diversas partes do mundo.
Artistas como Andy Warhol, Roy Lichetenstein e Robert Indiana usaram irreverência e ironia em seus trabalhos. Warhol usava imagens repetidas de símbolos populares da cultura norte-americana em seus quadros, como as latas de sopa Campbell, Elvis Presley e Marilyn Monroe. A Op Art (abreviatura de optical art, corrente de arte abstrata que explora fenômenos ópticos) também fez parte dessa época e estava presente em estampas de tecidos.




Suas organizações políticas multiplicavam-se e os choques com a polícia tornavam-se freqüentes. Protestos comuns iam dando um mesmo sentido às manifestações em várias partes do mundo: as demonstrações eram contra a guerra do Vietnã, contra o racismo, pela paz, pelos subdesenvolvidos.A esse conjunto de manifestações, que surgiram em diversos países, deu-se o nome de contracultura. Uma busca por um outro tipo de vida, underground, à margem do sistema oficial. Faziam parte desse novo comportamento, cabelos longos, roupas coloridas, misticismo oriental, música e drogas.


Toda uma linha de produção - discos, roupas, espetáculos - foi concebida a partir deles para eles. Os personagens que os jovens transformaram em ídolos (dos Beatles a Che Guevara), justamente porque tinham contestado o sistema, lhes foram devolvidos, comercializados: moda Mao, camisas com o rosto de Che, posters dos Beatles. O consumo transformava a contestação a ele, num rendoso produto de consumo.



◦○○◦° ◦○○◦° ◦○○◦° PSICODELISMO ◦○○◦° ◦○○◦° ◦○○◦°


O LSD, também conhecido como “ácido”, é uma substância sintética que causa alucinações, em sua maioria, na área visual ou auditiva. Os primeiros efeitos são físicos e começam cerca de uma hora após a ingestão da droga. Os efeitos variam de uma vaga sensação de ansiedade à náusea, sendo acompanhados por aceleração da pulsação, pupilas dilatadas, dentre outros.A percepção espacial também é alterada e as cores têm suas intensidades realçadas; imagens caleidoscópicas e tridimensionais flutuam no vazio.
Com isso, os designers desejavam obter esses efeitos de vibração óptica através das cores e das formas das letras, que tornavam quase ilegíveis através de uma total equivalência entre elementos positivos e negativos: o espaço existente entre as letras e dentro delas era contrabalançado pelas próprias letras, da mesma maneira que as cores contrastavam entre si com igual intensidade.
Um dos designers mais famosos desse período foi Wes Wilson, destacando-se na produção de peças gráficas para shows de rock. Victor Moscoso também realizou trabalhos notáveis, e era o único com formação em artes. Estudou cores em Yalecom Josef Albers, ex-professor da Bauhaus.

Com a análise de algumas peças gráficas produzidas nos anos 60, especialmente as ligadas ao universo musical, se torna clara a influência do psicodeismo e, por que não dizer, das drogas e seus efeitos na mente dos jovens que viveram nessa época.
É interessante notar alguns elementos como a forma das letras e textos assim como o tratamento das imagens e principalmente a cor podem construir efeitos inusitados.




*Página referente a Victor Moscoso que marcou muito os anos 60
http://www.fanboy.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=666

3 comentários:

Ana Goul disse...

Bahh Carolll, adorei seu post..
Um dos mais interessante na minha opnião, sabes né? Temos algumas coisas em comum, hehehe.
Té Segunnn.
Beijao

Daniel Confortin disse...

Bem, acho que entro nessas "algumas coisas em comum" também =) Baita texto! Vamos ver se falamos mais sobre isso na palestra da próxima aula... Algumas dicas...

Capas Clássicas de Rock 60's e 70's

http://www.coversdesign.blogspot.com/
http://www.dangerousage.com/deancovers.html

Storm Thorgerson (o cara!)
http://www.stormthorgerson.com/
http://en.wikipedia.org/wiki/Storm_Thorgerson

Agora, esse é o site, com muitos conceitos importandes par design de capas, modelos, conceitos etc:

http://www.cddesign.com/

É em Inglês, mas tudo é em inglês, pra quem não entende... uma boa indicação é:

www.wizard.com.br

Baita texto Carolis!

Relampiando disse...

California nada, pegava fogo era na europa msm, hippies copiaram jovens holandeses (provos), que no fim tb nao fizeram tanta coisa como outros movimentos q vinham querendo se propor a fazer a verdadeira revoluçao utopica, como os situacionistas.
Fuck off socialismo e capitalismo
hehe