sexta-feira, 31 de agosto de 2007






Graffiti feito com celular!!

Bom, isso está ocorrendo na Alemanha.
A grife Marc Ecko Clothing esta realizando projetos para promover seu
amor pela arte em graffiti.
Com a ajuda da Fábrica de Design Internacional (Design Factory Internacional) e com a criação do designer Benjamin Busse, foi criado o "Digital Citylights", que nada mais é do que uma tela LCD com inferface Bluetooth no meio das ruas alemãs.
Assim, qualquer pessoa que estiver com um celular pode acessar o Citylight e através do cursor deste, pode fazer sua própria graffitagem (se ela souber o que é!)


SOM E DESIGN

Todo mundo gosta de ouvir uma boa música e de qualidade. Para ter esse prazer, algumas pessoas gastam milhares de dólares para ter um som impecavel e perfeito, de altíssima fidelidade. Esses aparelhos chamados de high end, de preço elevadíssimo, são geralmente produzidos artesanalmente e com materiais caríssimos, como tweeters dotados de diamantes, para se extrair o máximo dos agudos. Há também cabos feitos de ouro e de prata, materiais que garantem que o som se mantenha inalterado até chegar às caixas acústicas.
Com esses aparelhos há fidelidade total ao som dos instrumentos e da voz, pode-se ouvir o som muito baixo ou muito alto, sem prejuízo na qualidade do som e não é preciso regular graves e agudos. Entretanto, para ter esse desempenho, é necessário que o CD tenha sido bem gravado, às vezes é preciso também fazer adaptações na rede elétrica, para filtrar ruídos(como chuviscos em televisores).
Bons produtos para quem gosta de som de altíssima pureza e quem tem muito dinheiro também.BEOLAB 5: caixa acústica da Bang & Olufsen tem um sensor que identifica as características do ambiente e calibra a reprodução do som de acordo com elas (US$ 18000, o par)
GRAND EXQUISITE:caixa de som da Kharma tem tweeters de diamante para garantir a pureza dos agudos. Tem 2 metros e pesa 400 quilos (US$ 200000 dólares o par)NAUTILUS:design inspirado no caracol, essa caixa acústica da Bowers & Wilkins serve para acabar com a interferência do som emitido pela parte de trás das caixas comuns (US$54000 o par)

FONTES:

Revista Veja
www.kharma.com/
www.bowers-wilkins.com
www.bang-olufsen.com

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Fanzine


Na última aula o professor lançou a ideia de
fazermos um fanzine do curso de Design...entãaaaaooo...
eu achei que seria uma boa postar algo sobre fanzines,para a galera
se ligar na quantidade de coisa que agente pode fazer com esse fanzine.
Mas antes de mais nada mostrar oque é um né espero que gostem.



Zineiros de carteirinha afirmam, sem pestanejar, que
o zine que hoje conhecemos surgiu no final da década 70,
junto com o movimento punk na Inglaterra.
Nada mais justo do que uma publicação quase sempre
independente, que preza pela liberdade de expressão e a
anarquia de conteúdos, tenha sido incubada naquele que,
no início, foi o mais independente, anárquico e anti
qualquer-coisa dos movimentos culturais do século XX.


Na sua maioria é livre de preconceitos, e engloba todo o tipo de temas, com especial incidência em histórias em quadrinhos (banda desenhada),ficção científica,poesia,música, feminismo,
vegetarianismo, veganismo, cinema,

jogos de computador e vídeo-games, em padrões experimentais.
Também se dedica à publicação de estudos sobre esses e outros temas,
pelo que o público interessado nestes fanzines é bastante diversificado no
que se refere a idades, sendo errónea a ideia de que se destina apenas
aos jovens, ainda que estes sejam concretamente os que mais fazem uso desse meio de comunicação.
No Brasil ocorrem anualmente duas grandes convenções de fanzines: "Fanzinecon"
e "Fanzine expo",as duas são parte integrantes de eventos de anime/mangá.
"Fanzinecon" ocontece dentro do evento "Animecon" e a "Fanzine expo"
acontece dentro da "Animedreams" e "AnimeFriends".



quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Alexei Brodovitch


As referências estéticas do passado são resgatadas constantemente para produzir produtos contemporâneos.
Alexei Brodovitch mostrou o quanto um designer pode ser um visionário.
Juntamente com a sua família Brodovitch foi para Paris,aonde em
pouco tempo deteve reconhecimento em seu trabalho gráfico ,
tendo ganhado dois concursos com seus posters de carater inovador.
Após alguns anos recebeu uma proposta para ensinar estudantes de
design os conceitos básicos do mercado Europeu,atuando
paralelamente como free lance.
Foi durate muitos anos atuando como diretor de Artes da Hapers Bazzar,
que Brodovitch revolucionou o design editorial.
Unindo-se com o trabalho de Richard Aveidon (fotógrafo)
eles mudaram a cara da revista,mostrando as roupas não mais como
peças de fábrica e sem vida, esse foi o grande diferencial entre
a Hapers Bazzar e a sua concorrente Vogue.
Ele determinava regras de composição apoiadas em três elementos:
fotografia,texto e áreas vazias(foto 2),fazendo com que esses elementos
interagissem entre si.
Brodovitch deixou não apenas seu estilo que marcou época,
mas mudou o meio editorial da moda.

Site da Hapers Bazzar :http://www.harpersbazaar.com/

iPhone



O iPhone é um smartphone desenvolvido pela Apple Inc. com funções de iPod com o uso do iTunes, câmera digital 2.0 mp e internet. Ele também oferece serviços de internet como e-mail, mensagens de texto, navegador internet, visual voicemail e conexão Wi-Fi local elm disso ele funciona como celular GSM. A interação com o usuário é feita através de uma tela multi-touch com teclados virtuais possibilitando infinitas utilidades






Caracteristicas do iPhone

Nome iPhone
Tipo: Smartphone
Fabricante: Apple, Inc.

Conectividade:
GSM 2.75G Quad band (850/900/1800/1900 MHz)Bluetooth 2.0 com EDRGPRS/EDGE (Acima de 220 kbit/s)iPod dock connector de 30 pinosWi-Fi (802.11b/g)

Disponibilidade:
EUA 29 de Junho, 2007
Europa Previsto para o 4°
trimestre de 2007
Japão Previsto para
2008
México Previsto para
2008
Australia Previsto para
2008
Brasil Sem previsão

Sistema Operacional :
Mac OS X Câmera: 2.0 megapixel

Tela sensível ao toque multitouch (multiplos toques), Quatro botões físicos principais

Alimentação: Bateria Li-Ion 3.7 volts

CPU: AMR XScale/Marvell 1176

Memória: 4 e 8
GB, memória flash interna

Tela: 3.5 pol, 320x480 px em 160 ppi Dimensões: 115×61×11.6 (mm)




O iPhone está disponível na Apple Store nos Estados Unidos e pela AT&T Mobility, Antiga Cingular Wireless, por um preço de US$499 para o modelo de 4 GB e US$599 pelo modelo de 8 GB. Anunciado em 9 de Janeiro de 2007, o iPhone foi lançado no dia 29 de Junho de 2007 nos EUA e Canadá, Com previsão de ser lançado em 2008 no mercado asiático, último trimestre na Europa e sem previsão para o Brasil(ja existe um iPhone desbloqueado no Brasil ) O produto foi anunciado no evento MacWorld Conference & Expo 2007 (realizado anualmente em São Francisco), pelo diretor-executivo da Apple, Steve Jobs. Segundo Jobs, o iPhone vai reinventar o telefone, pois será muito mais fácil de usar que os smartphones atuais.

5 razões para você querer um iPhone também.

1) Tela Multi-TouchA tecnologia desenvolvida por Jeff Han encontra o uso ideal no iPhone, nas mãos dos usuários, no dia a dia. A tela que antes era um pouco frágil ganhou um novo reforço de vidro, e agora está mais resistente a arranhões. A interface permite que você controle tudo com a ponta dos dedos. Escolher álbuns pelo CoverFlow, selecionar fotos e fazer zoom en um site, tudo isto é possível com simples toques na genial tela multi-touch.

2) YouTubeFoi divulgado que o player especial do YouTube está no iPhone. Ele usa o formato H.264, e não Flash, e pode ser acessado da tela inicial do iPhone. Você pode buscar os vídeos dos seus contatos e se quiser enviar um vídeo por e-mail, o iPhone se encarrega de tudo.

3) InternetO iPhone tem um cliente rich HTML e roda o Safari, que faz automaticamente um sync entre os links entre os bookmarks do seu Mac ou PC. O Safari tem busca no Google e Yahoo, e como o iPhone roda o OS X e é multitask, você pode baixar os seus e-mails enquanto navega pela web usando a conexão Wi-Fi ou Edge. Além do sensacional Google Maps, o Safari do iPhone deve rodar muitas outras web apps, mas existe uma certa polêmica se ele vai ou não ser capaz de mostrar animações feitas com o Flash,.

4) OS XRodar o sistema operacional completo da Apple, como garante Steve Jobs, significa que o seu iPhone é capaz de multitasking, e roda vários programas ao mesmo tempo. Com o OS X você tem acesso aos widgets, calendário, mensagens de texto, notas e contatos.

5) iPod WidescreenO iPhone também é um iPod, e o primeiro a ter uma tela com um tamanho decente para assistir a um vídeo podcast ou uma série de TV.

________________________________________________________________


Muitos fabricantes consagrados de celulares como a Samsung , LG (com seu prada phone) , Nokia, Meizu(pouco conhecida mas que fez um celular muito parecido com o iPhone), estão criando seus celulares para tentar bater o iPhone com tela sensivel aos multiplos toques e outras tantas funcionalidade que o iPhone tem,porque o consumidor atual não quer mais os teclados com teclas minusculas que mau da pra escrever , mas nenhuma chegou perto de iqualar-se a um iPhone em seu todo.
______
____LG
Prada Phone ___________Meizu m8

Por fim o iPhone esta se tornando um marco na telefonia movel, antes do iPhone e após o iPhone , a apple revoluciona em tudo que produz.


fontes:
pt.wikipedia.com
http://www.digitaldrops.com.br/drops/iphone
http://www.apple.com/
http://www.apple.com.br/
http://www.engadget.com/2007/02/14/meizu-ceo-we-only-kind-of-knocked-off-the-iphone/
http://www.google.com.br/

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Emigre: A (R)Evolução da Tipografia


Catálogo tipográfico Caslon


A revista norte-americana Emigre, do editor e designer Rudy VanderLans, teve sua primeira edição publicada em 1984. No entanto, a partir da segunda edição, a revista se tornou uma vitrine para as fontes criadas por Suzana Liko, esposa e sócia de VanderLans, que tinha o objetivo de melhorar a tecnologia do desenho das fontes tradicionais, o que criou belos resultados.
Com o fluxo corrente de novas letras, a revista tornou-se, também, uma vitrine para idéias e um parque de diversões para o design gráfico.
Os anos de 1980 e 1990 foram tempos férteis e turbulentos para o design. O impacto causado pela introdução do computador pessoal e das impressoras domésticas reorganizou a prática do design de uma forma nunca vista desde a vanguarda histórica dos anos de 1920: de repente, qualquer pessoa com um pc e uma impressora poderia se tornar "designer gráfico".
O fato que Emigre estava escrevendo novas "regras" tanto quanto estava quebrando as antigas atraiu seus leitores. Cada revista era única. Os layouts eram audaciosos, autorais e altamente não ortodoxos, em face do design sério do modernismo corporativo dos anos de 1970 e 1980.
Ironicamente, talvez o sucesso da revista em difundir teoria e crítica tenha contribuído para seu fechamento. A presença da Internet e o fato de todo o webblog ser capaz de dar vazão à crítica fez a escrita coletiva de Emigre parecer acadêmica e de difícil compreensão. Então, depois de 21 anos, a revista
Emigre chegou ao fim. Mas não a empresa Emigre, que continua trabalhando na área de design.



Emigre de nº 69, última edição da revista

A seguir, alguns links interessantes sobre Tipografia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tip%C3%B3grafo
http://www.unb.br/fac/ncint/pg/galeria/tipografia.htm
http://www.lsc.ufsc.br/~edla/design/design.htm

DESIGN RECONHECIDO COMO FUNDAMENTAL

DESIGN RECONHECIDO COMO FUNDAMENTAL
O design se estabeleceu no século passado como alternativa às empresas na busca de um produto melhor. O princípio era de que aquilo que é bem projetado do ponto de vista funcional resulta em uma forma agradável, atraindo o cliente.Hoje o produto deve ser aceito globalmente, sem deixar de manter uma identidade nacional. Ele deve expressar aspectos positivos do país em que foi criado.Nos mercados nacionais e internacionais, os produtos competem por um espaço/diferencial no desejo do consumidor, e o design torna possível o surgimento do diferencial.
DESIGN - FATOR ESTRATÉGICO
Na atual conjuntura de mercado, a credibilidade por meio da qualidade da imagem e dos produtos e serviços que uma empresa oferece, são fatores decisivos para o seu sucesso.O design é um dos principais instrumentos competitivos das empresas nos mercados interno e externo.

Visite o site do Programa Brasileiro de Design www.designbrasil.org.br

GRANDE abraço

terça-feira, 21 de agosto de 2007

CONCURSO DE DESING PROMOVIDO PELO MUSEU DA CASA BRASILEIRA.

O Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira é um prêmio anual destinado a Designer, Arquitetos e afins. Seu foco sempre esteve voltado ao design de produto, mas desde a 18ª edição, promove um concurso de desing gráfico para definir a identidade visual do prêmio.
Abrindo espaço para a segunda geração de designers contemporâneos, no 15º Prêmio levantou-se questões importantes referente a qual design estamos praticando. Ethel Leon, Jornalista e também membro da comissão julgadora, levantou alguns comentários em relação ao Prêmio na tentativa de colaborar com concursos futuros.
Questiona, portanto, o que se pretende mostrar? Um time de novos designer, ansiosos pra criar, porém ainda no banco de reservas? O enfoque deve estar voltado as grandes empresas, entendendo que o esforço do design não se dá sem a indústria? O papel do Museu seria o de um banco de negócios? Ou se propõem a uma tarefa cultural, identificando nas áreas afins ao grande tema do Museu – a Casa Brasileira – entendendo o design de forma ampla, como projeto não somente de coisas, mas de informação e de serviços, que mostrem avanços, originalidade, novas concepções com um importante papel cultural?
Somente de uma clara definição pode se realizar qualquer concurso. Um concurso de idéias com um ou mais objetivos específicos.
Desta forma analisando o design contemporâneo, vemos que as bases do design brasileiro sempre originaram-se de uma estética que podemos chamar de “ estética do possível”. Por quê? Razões como a falta de formação, apoio da Indústria, dimensões reduzidas de mercado que não é exportador. Quando falamos de falta de formação, falamos de adequação de idéias inovadoras e do marketing do projeto para fazê-lo aceito pela indústria. Desta forma, tendo por base todos os concurso, prêmios, amostras de design, temos uma prova de que a maioria dos jovens designer não tem esta formação necessária para lançar um objeto no mercado, nem assumir seu posto na indústria.
É suficiente este design possível que se está praticando? Quais questões precisam ser discutidas e analisadas? Definição de identidade? Quais as prioridades: capacitação artesanal ou tecnológica?
De que design se está falando? Aquele que já é praticado por grandes empresas, grandes pólos como o mobiliário, automobilístico, que já exportam, mas sem reais valores agregados, ou aquele da pequena indústria, que precisa descobrir, procurar suas saídas, desde o fornecedor de matéria prima até o ponto de venda.
Na 20ª edição do Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira que aconteceu no ano de 2006 dentre as categorias já presentes como o Mobiliário, Utensílios, Iluminação, dentre outros, está a Categoria Novas idéias/Conceitos, talvez como forma de se buscar assumir uma nova identidade no Design atual. Visitando esse Site, é possível ter uma noção de como este prêmio acontece.
http://www.mcb.sp.gov.br/mcbPremio.asp?sMenu=P003&sPremio=PPD

Ainda entende-se o Design como algo somente relacionado ao projeto e a Indústria, em que o Designer tem o compromisso prioritário com a produtividade do processo de fabricação. O grande papel do Design contemporâneo é o Compromisso Social, um Design que chegue a todos em todos os lugares, um Design que agrega qualidade e não só custo, funcionalidade não apenas glamour, com idéias criativas e inovadoras capazes de mostrar sua evolução em relação ao aproveitamento de materiais, com atitudes que enfoquem o aproveitamento consciente da natureza, e desta forma sirvam de exemplo. Uma boa iniciativa pode ser conferida nesta pagina do Prêmio Planeta Casa.
http://casa.abril.com.br/casaclaudia/planeta/2005/index.shtml

Não sendo suficiente o Design que se está praticando, falta, portanto, projetos que desenvolvam um design ecologicamente correto, socialmente justo e comercialmente possível, praticando a sustentabilidade.


No site do Salão Design – A Casa Brasil 2007, é uma feira de negócios, mas também objetiva dar visibilidade a novos talentos, apresentando produtos contemporâneos dos séculos XX e XXI. Podemos ver produtos muito interessantes de uma criação atual, criativa, que mostram um pouco do estilo do novo design. É um prêmio que vem atender a um público alvo, indústrias, profissionais, estudantes e escolas. Apresenta uma variedade de utilidades domésticas, acessórios para decoração, cutelaria, têxteis, móveis, luminárias, que abrangem o universo de uma casa.
http://www.casabrasil.com.br/salao_design/site/home.php



Joice Zwirtes
Revista ARC Design – Nº22 – 2001

O fusca e o streamlining


Os ideias do século XX se manifestaram de formas distintas nos Estados Unidos e na Europa.No entanto, tinham algo em comum: a fascinação pela tecnologia e pela produção industrial.A máquina era vista como a metáfora ideal para os conceitos de velocidade e mobilidade, de repetição e ritmo.Era a massa em oposição ao indíviduo. O carro, o avião, o telefone e o rádio foram as grandes invenções tecnológicas da nova era e , também, os símbolos ideológicos e visuais do modernismo.
A idéia de um "amanhã melhor" foi o combustível sócio cultural que movimentou as pranchetas dos designers automotivos dos dois lados do Atlântico , promovendo a popularização do streamlining como estilo predominante nas décadas de 1940 e 1950 . O stremlining não se caracterizava pela reflexão da realidade. Ao contrário, buscava uma visão de suavidade, a ausência de fricção, o futuro da era da máquina.
Os pricípios de aerodinâmica e da hidrodinâmica sugeriam formas em gota como ideiais para aviões, trens e automóveis, onde a menor resistência possível ao ar era um importante fator para alcançar e manter velocidade.O conceito de forma de gota buscou sua inspiração nos besouros, peixes e pássaros.A beleza e o esplendor dos dirigíveis também estimulavam a consolidação da forma de gota como ideial a ser perseguido.
O estilo rompia com o padrão estético vigente: a expressão de robustez e imponência dos câpos de motor em posição elevada e maciça constratava com as formas arrendadas e suaves da região traseira.
As formas de gota definiram os automóveis dos anos trinta: os veículos eram baixos e com as linhas curvas de teto feitas para reduzir a resistência do ar. As partes da carroceria eram unidas em uma única gaiola metálica com superfícies contínuas e suaves, lembrando um pássaro em vôo livre. Norman Bel Geddes, conhecido designer norte americano das décadas 1930 e 1940 , popularizou o streamlining como um estilo de design para as massas ao publicar ilustrações fantásticas de automóveis e ônibus em forma de gota. Esses trabalhos ganharam espaço em jornais e revistas de grande circulação.





Norman Bel Geddes

A associação de estilo com aerodinâmica e velocidade indicava a crença no progresso t
ecnológico. Ao mesmo tempo, as formas arredondadas, contínuas e definidas também sugeriam a necessidade de proteção e estabilidade. Acima de tudo, o streamlining revelava uma busca e um desejo por controle. Apesar de ter sido originado a partir dos estudos de aerodinâmica, o estilo avançou rapidamente para o campo emocional do comércio e da cultura.
O Visual streamlining passou a caracterizar o progresso, o futuro e a modernidade tão sonhada, tornando-se uma influência marcante nas décadas seguintes, tanto para veículos populares como para de maior status.
O fusca tornou-se um ícone do design, mesmo sendo um produto seguidor de tendências no que se refere às soluções streamlining típicas dos anos 30.

A idéia de um automóvel que representasse para as massas alemãs o ideal de bem estar e progresso nasceu da convergência de interesses de Adolf Hitler e Ferdinand Porsche. O líder político alemão apostava em um produto de consumo de massa que representasse um contraponto aos típicos autmóveis alemães de alto luxo e construção artesanal, inacessíveis ao típico trabalhador alemão. Tal veículo, na visão do Fuhrer, deveria conciliar características como assentos para acomodar toda família, refrigeração a ar para evitar o problema de congelamento da água no inverno e, ainda, ser capaz de cruzar as rodovias numa velocidade em torno de 100km/h. Acima de tudo não deveria ter um custo superior a 1000 marcos alemães.




Adolf Hitler e Ferdinand Porsche


Ferdinand Porsche
desenvolveu o projeto em sua própria garagem, em Stuttgart, na Alemanha



O fusca representava o ideal de popularização do automóvel para as massas alemãs ao mesmo tempo em que trazia consigo a mensagem de um futuro prospero e estável.No entanto, o seu estrondoso sucess
o comercial se deveu, de certa forma , mais aos aspectos e fácil manutenção , robustez e construção simples e menos aos conceitos inovadores no design interno ou de proporções inovadoras. Em 22 de junho de 1934, era assinado o acordo entre a Associação Nacional da Indústria Automobilística Alemã e Ferdinand Porsche, estabelecendo que a empresa de engenharia de Porsche deveria desenvolver o modelo e apresentar o primeiro protótipo em 10 meses. Mas o cronograma atrasou e o carro só ficou pronto em 1936. Porsche testava o primeiro protótipo de fusca, com motor refrigerado a ar, câmbio seco de quatro marchas e sistema elétrico de seis Volts. Os primeiros carros não tinham quebra-ventos nem pára-choques ou vidro traseiro e as portas se abriam ao contrário das atuais. Mas em 1936, o protótipo do Fusca ganhou carroceria semelhante à atual. Em 1937, outros 30 protótipos foram testados com o apoio da indústria automobilística alemã. A partir de 1938, foi iniciada a construção de uma fábrica em Hanover, onde seriam produzidas algumas unidades do modelo. Só em 1959 o Fusca (então com o nome de Sedan 1.200) começaria a ser fabricado no Brasil.





O Volkswagen podia ser comprado por quase todos, ao preço de 990 marcos, e era equipado com motor refrigerado a ar, sistema elétrico de seis volts, câmbio seco de quatro marchas, que até então só se fabricavam carros com caixa de câmbio inferiores a 3 marchas


Links com a historia dos fusca:

http://www.automotor.eti.br/fusca/volkswagen_fusca.php

http://www.fortunecity.com/silverstone/garage/560/fusca.html

http://www.fuscaclube.com.br/historia.htm

No youtube:

http://br.youtube.com/watch?v=_RziSWanFe0

http://br.youtube.com/watch?v=Kmtl5NPQcgQ&mode=related&search

REVISTA ABCDESIGN MARÇO/2004

ALEMANHA - GERMANY

Um show de Design

A Alemanha (nome oficial: República Federal da Alemanha, em alemão: Bundesrepublik Deutschland) é um país localizado na Europa, membro fundador da União Européia, membro da NATO e do Grupo dos 8.
O estado alemão é uma república federal parlamentarista com 16 estados federais e com 82 milhões de habitantes é o país com a maior densidade populacional da Europa. Desde 1995 a Alemanha participa do Acordo de Schengen. A capital é Berlim e a língua nacional oficial é o alemão.


BANDEIRA
BRASÃO DE ARMAS


AS MARAVILHAS


*A estrela de três pontas:
Uma das marcas mais cotadas do mundo, a Mercedes Benz,hoje sinônimo de luxo,esportividade,confiança e potência tem uma história que se confunde com a do próprio automóvel.Após a fusão com a norte-americana Chrysler, o conglomerado é uma das maiores potências globais do setor automotivo.
Suas origens remontam às duas últimas décadas do século 19, época em que Gottfried Daimler e o engenheiro Carl Benz realizavam, cada um por si, tentativas de adaptar o motor de quatro tempos, patenteado por Nicolaus Otto e concebido para máquinas estacionárias, para utilização em engenhocas automotivas.
Daimler obteve a 29 de agosto de 1885 a patente para um veículo motorizado de duas rodas, com velocidade de 8 km/h, o precursor da motocicleta. Poucos meses depois, a 29 de janeiro de 1886, foi a vez de Benz obter o registro para um veículo automotivo à base de gasolina, passando a ser considerado construtor do primeiro automóvel.


Algumas máquinas que tem o privilégio de ter a estrela como símbolo:
O 'Flecha de Prata' da Mercedes, com o qual Juan Manuel Fangio se tornou campeão mundial de Fórmula 1 em 1954 e 1955.
O novo Mercedes SLR McLaren, apresentado na IAA de Frankfurt de 2003.
Essas são apenas duas das centenas de provas que temos da qualidade,ousadia e ótimo bom gosto do grupo de Designers eleitos pelo MB.



O SIMPÁTICO VALENTE:
Fusca, Fusquinha, Fuscão. Em todas suas variedades, o simpático carrinho – tão querido de Hitler – conquistou os corações de milhões de motoristas. E continua vivendo até hoje, no New Beetle e em alguns exemplares do Fusca que nós brindam com suas presenças nas ruas e até nas pistas em alguns casos.

Desenho atribuído a Hitler, mostrando sua concepção do carro popular alemão.

O novo Fusca,o NEW BEETLE.

Neste momento em que fazem a leitura desse texto muitos devem estar pensando que quem o escreveu é um maluco,ok? Pode até ser,mas não pelo motivo que pensam,o de: dizer que o velho VW não é um modelo clássico de bom DESIGN,isso não admito!!
Eu achei muito interessante: o DESIGN simples,visual harmonioso e limpo,a funcionalidade e bravura(parece até um BRAZUCA de nascença) e custo barato do FUSCA. Por isso acho ele um ótimo exemplo de Design para a época que foi criado.
Já no caso do NB,esse sim faço algumas críticas e elogios diferenciados do que fiz ao FUSCA. Quanto ao DESIGN ele é lindo,tanto é que foi desenhado pelo mesmo criador do grande Audi TT, o NB exibe um ar mais luxuoso e moderno,enquanto o ATT é pura esportividade. Minha critica é pelo fato de chamar o veículo de NOVO FUSCA, pode isso? Só porque tem linhas redondas e emblema VW posso chamar de FUSCA? Tudo bem que seja algo não comparável e nem que ele seja sucessor, mas que o NB não tem nada de FUSCA isso ele não tem!



AS 4 ARGOLAS:
Simbolizam a fusão consumada em 1932 entre quatro fabricantes de veículos automotivos até então independentes: Audi, Horsch, DKW e Wanderer.
Hoje membro do grupo VW,composto por: VW,AUDI,SKODA AUTO E SEAT, a marca AUDI é como um sinônimo direto dos milionários mais pobres de: STATUS,PODER,LUXO E FORÇA. Me referi ao termo mais pobres levando em conta concorrentes como: FERRARI, MERCEDES BENZ, PORSCHE, LAMBORGHINI e outras marcas que também sabem oferecer carros no mesmo nível e geralmente com preços mais elevados do que a AUDI oferece.
Audi A6: novo modelo de sucesso da montadora.
Audi TT, criado pelo mesmo projetista do VW NB,esse é um modelo esportivo, veloz, com tecnologia de ponta e uma dose menor de luxo, mas suficiente para agradar quem compra.

AUDI para a maioria dos mortais, pessoas como eu que não estão com possibilidades de ter um dos carros dessa marca na garagem significa muito, é como descrevi acima, é luxo, status e tudo mais, com o melhor DESIGN que possamos imaginar, linhas simplesmente perfeitas, atrativos por todos os lados ou ângulos que se veja, eu considero como uma boa opção de veiculo para um público que busca um carro nesse nível, que eu qualifico como : menos que FERRARI e mais do que vários VW GT,GTI,FIAT,FORD que muitas vezes apresentam máquinas sensacionais mas porém com um DESIGN não tão bem elaborados como os da AUDI.


Bayerische Motoren Werke (Fábrica de Motores da Baviera) :
Foi fundada em 7-3-1916 a Fábrica de Aviões da Baviera, mas essa não continuou com as mesmas atividades, começaram a fazer também motores para barcos, caminhões e por pouco tempo novamente para aviões. O logotipo da BMW, é inspirado nas aeronaves, que lembra uma hélice em rotação vista de frente. O azul e o branco que se alternam nos campo do círculo são as cores do Estado da Baviera.
BMW SÉRIES 3 BLACK.

A charmosa e elegante BMW, tem traços similares e quase que feitos propositalmente iguais aos da MERCEDES BENZ a sua rival.
Também tido como status, prazer e imponência, a marca das 3 letras oferece mais veículos de luxo, performances e visuais discretos que agradam executivos, presidentes, senhores ricos em geral. Também é digna de uma linha muito vasta e orgulhosa de esportivos rápidos e confortáveis, tanto em carros ON e OFF – ROADS.
O grande trunfo do seu ótimo DESIGN acredito eu que seja as suas linhas marcantes, imponentes, dando sempre a impressão de que quem está a bordo quer ser notado e respeitado onde está.

Que água na boca...Carl H. Knorr começou com uma loja de especiarias, da qual resultou uma grande fábrica de sopas instantâneas, molhos e temperos. Hoje, a Knorr uma das principais marcas da Bestfoods, que a Unilever incorporou.
No Brasil, os primeiros caldos e sopas foram lançados em 1961, sendo fabricados inicialmente no Cambuci, em São Paulo. Em 1993, a Knorr incorporou a Cica. Empresa genuinamente brasileira, fundada em Jundiaí (SP) em 1941, a Cica é uma das maiores produtoras de alimentos do país. Um de seus mais antigos produtos é o extrato de tomate Elefante, que continua liderando o mercado brasileiro nesse segmento. Hoje, a Cica possui fábricas em Rio Verde (GO), Patos de Minas (MG) e Valinhos (SP).
Como que a KNORR ainda é uma das líderes em vendas e em lembranças de marcas de alimentos pelas donas de casa?? Alguma colega cozinheira pode me ajudar??
Bom já que o meu ponto forte não é falar do produto em si, vou dizer porque então de escolher a KNORR como MARAVILHA ALEMÃ:
1*Embalagens: consideradas práticas, pequenas e bem ao estilo que se acomoda na cozinha de qualquer dona de casa.
2*Visual da marca sem muitos atributos de clonagem ou cópia de outras marcas, o que valoriza mais o DESIGN das embalagens e da própria empresa mostrando que o consumidor gostou e aprovou.
3*A identidade KNORR: é inconfundível para qualquer pessoa, seja ela um PROFESSOR NOVATO DE DESIGN DA ULBRA ou a melhor cozinheira de todas, o trabalho feito pela equipe de DESIGN é sensacional, pois é um formato limpo e que as pessoas gravam com facilidade.


Ah, claro que as pessoas que vivem na ALEMANHA são lindas, tanto como as que vivem no BRASIL, mas não é por isso que vão viver em nudez né?
Vamos ver o que eles usam e apresentam para o mundo todo.
FELINO :
Poucos sabem, mas duas grandes concorrentes de roupas e acessórios esportivos já foram uma só empresa. A PUMA foi fundada em 1948, depois de passar 24 anos produzindo calçados esportivos na mesma fábrica que a ADIDAS.
Atualmente a marca do felino é admirada por crianças, adolescentes e adultos. Atores de Hollywood admitem ser fãs da Puma. Madonna já apareceu usando Puma, sem receber por isso.
Após passar por grandes crises, em meados dos anos 90, a Puma conseguiu elevar seu capital em 20 milhões de marcos, chegando a um capital nominal de 70 milhões de marcos. O ano de 1994 foi o mais importante para a empresa, pois foi o primeiro em que ela conseguiu terminar com um saldo positivo desde sua entrada no mercado de ações: lucro de 25 milhões de marcos.
Em 1997 a distribuidora cinematográfica Monarchy Regency Enterprises adquiriu 25% da Puma, tornando-se maior acionista exclusivo da empresa. Um ano depois ela se uniu à norte-americana LogoAthletic, uma fabricante de roupas de esporte e fornecedora de uniformes para a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL).
Não demorou muito para conseguir a liberação da NBA, e começar a fornecer uniformes para nove equipes de outro esporte conhecido na terra do Tio Sam, o basquete. Desde o ano de 2004, a logo marca enxerga na África um novo investimento. A maioria das delegações africanas são patrocinadas pela Puma. Isso faz com que Puma AG atinja os 5 continentes.
Longe dos gramados e quadras, a Puma não deixa a desejar. No atletismo diversos atletas testão seus limites com acessórios da marca, mas a grande aposta da empresa é a Fórmula 1, já que as grandes equipes, como Ferrari, BMW, Williams e Renault, também aderem a linha. Contratos com estilistas renomeados foram assinados, e cada vez mais a empresa cresce. Coleções esportivas agora dividiam espaço com coleções mais casuais, atingindo do público mais jovem ao mais velho. Hoje, a Puma se solidifica no mercado e cada vez mais aumenta o número de admiradores da marca. Ano após ano, a fábrica consegue fazer seus lucros chegarem a casa dos bilhões.
A Puma não só elevou seu faturamento, mas também fez do nome uma marca mundialmente conhecida. Os números da empresa também cresceram continuamente. Em 2003 ela fechou o ano com um balanço muito positivo: faturamento de 1,2 bilhão de euros.
Um exemplo do que foi dito sobre o fornecimento de material esportivo, hoje a PUMA patrocina o MELHOR TIME DE FUTEBOL DO MUNDO: O GRÊMIO!!!
Este é um boné da empresa ITALIANA FERRARI que é fornecido pela PUMA.

O que cativa cada vez mais pessoas e grandes empresas não é apenas a qualidade indiscutível dos produtos oferecidos, mas também a beleza, essa que nos remete logo aos termos luxo, exclusividade, requinte, esportividade, entre outros adjetivos que poderia citar. Mas como eles conseguem tudo isso?? É o excelente DESIGN, estilo e ousadia que a equipe de criação da empresa consegue fazer e apresentar ao publico certo.



AS 3 LINHAS:
Adolf Dassler, chamado de Adi, tinha apenas 20 anos, quando desenvolveu em 1920, com os poucos materiais disponíveis logo depois da Primeira Guerra Mundial, sapatos de pano especiais para corredores, levado pela idéia que o guiou durante toda sua vida: a de que cada atleta tivesse o sapato adequado para o esporte que praticava.
O sucesso do modelo serviu de incentivo para Adi Dassler, que logo desenvolveu sapatos para outras disciplinas do atletismo e chuteiras para futebolistas. Já em 1928 os esportistas alemães disputaram a Olimpíada de Amsterdã calçando sapatos especiais da oficina de Dassler, que nunca se cansou, até morrer em 1978, de buscar o modelo perfeito da chuteira, da bota, do tênis, o que se traduz em 700 patentes e modelos registrados em todo o mundo.
Com o país em escombros, após a Segunda Guerra Mundial, Adi Dassler retomou a produção com 47 funcionários, fazendo sapatos esportivos de lona e borracha retirada de vasilhames usados pelos americanos para armazenar combustível. Em 1947, juntou seu apelido com a primeira sílaba do sobrenome, criando a marca que logo se tornou símbolo de qualidade em todo o mundo: Adidas. As três listras foram acrescentadas como marca registrada no ano seguinte.
Maior variedade de artigos esportivos.
O sortimento de produtos nunca parou de crescer, incluindo a fabricação de bolas a partir de 1963 e de confecções esportivas desde 1967. Fundindo-se com o grupo Salomon, em 1997, após uma fase de fracassos financeiros, a Adidas-Salomon passou a congregar a maior variedade do mundo de artigos esportivos, que são vendidos sob diferentes marcas, num total de 600 modelos de sapatos e 1500 peças de confecção.
Embalada pelos bons resultados de 2002 — quando aumentou seu faturamento em 7% para 6,5 bilhões de euros —, a empresa quer deixar para trás sua maior concorrente, a Nike, e assumir a liderança mundial no setor de artigos esportivos.
Modelo de tênis para prática de espoortes e também para uso urbano da marca. Camisa do time de futebol PALMEIRAS patrocinado pela ADIDAS.

A abertura na Bahia de uma fábrica da gaúcha Disport, que fabrica para a Adidas no Brasil, insere-se em planos de aumentar e baratear a produção, de modo a abastecer também o mercado argentino. As importações de tênis fabricados na Ásia, que hoje perfazem 70% das vendas no Brasil, devem ser reduzidas, a médio prazo, à metade.
Graças a uma expansão nas vendas de 31%, em 2002, para a qual contribuíram sobretudo o Brasil, Argentina, Chile e México, a América Latina está no foco da Adidas nos próximos anos.
A marca das 3 linhas adquiriu no ano de 2005 a empresa REEBOK, RBK.

O que faz a ADIDAS ser uma grande potência que anda par a par com PUMA, NIKE e outras gigantes é sem dúvida sua qualidade, tradição e beleza dos produtos que oferece, sejam eles de linhas esportivas ou urbanas. O DESIGN dos produtos é muito chamativo, remete bem a esportividade e ao OLD – SCHOOL o que torna um diferencial, um estilo único.
Modelo de casaco no estilo OLD – SCHOOL.
Obs: o modelo da ADIDAS é o pioneiro nesse estilo, mas hoje já está sendo copiado por outras grifes, como a PUMA que também lançou peças de uniformes antigos chamados de RETRÔ, isso segundo muitas pessoas inspirados no estilo OLD - SCOOL apresentado pela ADIDAS.



LUXO ABSOLUTO:
Sinônimo de elegância e luxo, a HUGO BOSS é um produto "made in Germany" altamente respeitado no mundo da moda.
Fundada em Metzingen, em 1923, carrega no entanto um passado de envolvimento nazista.

Antes e durante a Segunda Guerra Mundial, a empresa desenhou e produziu uniformes de tropas e oficiais da Wehrmacht e SS.
Ao longo de tantos anos, a marca foi se especializando em diversos segmentos e, por isso, lançou submarcas específicas. Para homens, Boss Black, Boss Green, Boss Orange, Hugo e Baldessarini; e para mulheres, Boss Black, Boss Orange e Hugo. As fragrâncias Hugo, Hugo Boss e Baldessarini são de propriedade da Procter & Gamble.
Em 1999, Boss Orange para homens foi lançado mais como uma tendência esportiva e casual, separando-se da imagem sofisticada do já conhecido Boss Black. Além disso, Boss Green foi criada para a venda de acessórios esportivos.
Além dessas marcas, surgiu também em 2004 a Baldessarini, no entanto com uma característica autônoma.
Como as demais marcas Hugo Boss, esta também vende roupas, sapatos, fragrâncias e acessórios, mas vai encerrar as operações por causa da nova linha Boss Black Selection, que acabou a superando.
Perfume que utiliza a marca HUGO BOSS, segundo revendedores e clientes os perfumes Boss masculino de Hugo Boss, tem um amadeirado refrescante, para homens modernos, sensuais e sofisticados. Suas notas combinam, bergamota, canela, gerânio, cravo-da-índia, madeira de cedro e vetiver.
Boné que tem estampado a marca HUGO BOSS e que é revendido nas lojas que trabalham com a grife.
Relógio de pulso masculino com emblema da marca.
Modelo de bolsa feminina da marca, item da coleção FALL WINTER 2007, porém sem a estampa com o nome. O nome só é visto na etiqueta.
HUGO BOSS, ou simplesmente BOSS como é conhecido, é sinônimo de luxo em qualquer lugar, é o DESIGN moderno e elegante que fazem com que os produtos que levam sua marca sejam reconhecidos por aquelas pessoas que realmente tem bom gosto e estão dispostos a pagar o que for necessário por eles.

FONTES :
DW : http://www.dw-world.de/dw/article/0,2144,1465674,00.html
WIKIPÉDIA : http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1gina_principal
MERCEDES BENZ : http://www.daimlerchrysler.com.br/default.htm
http://www.mercedes-benz.com.br/
AUDI : http://www.audi.com.br/
BMW : http://www.bmw.com.br/
KNORR : http://www.knorr.com.br/
PUMA : http://www.puma.com/pindex.jsp
ADIDAS : http://www.adidas.com/br/shared/home.asp
REEBOK : http://www.rbk.com/rbklaunch.aspx?country=us
http://www.torcidarbk.com.br/
HUGO BOSS : http://www.boss.com/
http://www.hugoboss.com/

1ª Bienal Brasileira de Design e 8ª Bienal da ADG

Design gráfico e de produto
Um Olhar sobre a História do Design Brasileiro, décadas de 1920 e 1940. Destaque para as peças criadas por Warchavchik para a Casa Modernista





Mostras apresentam história e tendências do design brasileiro

O design brasileiro foi um dos protagonistas do cenário cultural paulistano no mês de julho. Duas mostras, em especial - a estreante Bienal Brasileira de Design e a veterana Bienal da Associação dos Designers Gráficos -, colocaram em análise boa parte da nossa história, tradição, modernidade, excelência e traços distintivos na área. Durante as cerimônias de abertura dos eventos, Fábio Magalhães, da Secretaria da Cultura do estado de São Paulo, enfatizou: “O design brasileiro tem identidade própria”.
Frente à maturidade e à abrangência da oitava edição da bienal da Associação dos Designers Gráficos, Magalhães comentou: “A nova visualidade aqui exposta não é conseqüência da tecnologia, mas sua causa”. A frase traz implícitas as idéias de atualização, domínio formal e tecnológico, e ainda de boa qualidade e diversidade do recente desenho brasileiro. Ou seja, os mais de 300 trabalhos selecionados para a exposição no Memorial da América Latina, entre 2,1 mil inscritos, são sintomáticos da análise feita pela atual diretoria da ADG sobre a produção contemporânea nacional: “O design se especializa em níveis antes inimagináveis. Há 50 anos (…) designer era visto como um profissional completo, capacitado para resolver questões de comunicação no sentido mais amplo dapalavra. Mas será que esse perfil se desintegrou na nova onda de design especializado?”.
Sim e não, porque, embora os trabalhos pertençam a universos específicos e as estratégias de comunicação objetivas, em 2006 uma comissão de curadoria propôs a reflexão sobre caminhos e tendências através de nova forma de exposição. Entrou em cena o agrupamento por temas, no lugar da reunião por tipos de projeto, por categorias, “que é eficiente para mostrar os diferentes desafios que o profissional pode enfrentar, mas que, sob pena de se tornar uma grande vitrine, não reflete sobre os próprios trabalhos”, declara André Stolarski, um dos curadores. “É uma tentativa de resgate, de explicitar para o público que a atuação do designer é plena, completa, global, e não apenas técnica e secionada”, assinalou a diretoria da instituição, no texto de abertura da mostra.
Os temas correspondem a 12 núcleos, ou seja, a pelo menos 12 comportamentos e linguagens que os curadores Stolarski, Bruno Porto, Fernanda Martins e Marco Aurélio Kato identificaram em comum nos 307 projetos da bienal da ADG.





A marca da Bienal Brasileira de Design foi criada pela equipe do escritório Gad


Cartazes da Osesp (Kiko Farkas)



Sinalização do Complexo da Pampulha (Hardy Design, A&M e GPA&A

Nos setores Nosso Saber Fazer e UmOlhar sobre a História do Design Brasileiro,a curadora Joice Joppert Leal apresentouexemplos contemporâneos de produtos queutilizam técnicas artesanais, assim como asvárias gerações pioneiras do desenho nacional.Os segmentos sobre as décadas de 1920 e1940 reuniram, entre outras, peças criadaspor Warchavchik, Joaquim Tenreiro e Fláviode Carvalho; na década de 1950, Geraldo deBarros, grupo Branco e Preto, José ZanineCaldas; anos 1960, Lívio Levi e Jorge Zalszupin;anos 1970, a iniciativa de José Mindlinde criar o Núcleo de Desenho Industrial (NDI),além do surgimento de escritórios e agênciasde grande porte; década de 1980, peças deFúlvio Nanni Júnior, Maurício Azeredo, CarlosMotta e Sergio Rodrigues.O andar superior da Oca recebeu a ProduçãoAtual do Design, que teve curadoria deMarili Brandão. A designer agrupou projetossegundo funções e intenções comuns, nosseguintes segmentos: Design para MelhoriaSocial e Ambiental; Design para Uso Público;Design para Iluminação; Produção em PequenaSérie; Projetos Internacionais; e Produçãoem Grande Série. Também integraram a bienalos painéis Aspectos Tecnológicos e DesignVisual, organizados, respectivamente, porZoraida Viotti e Chico Homem de Melo.A 1ª Bienal Brasileira de Design, promovidapelo Ministério do Desenvolvimento,Indústria e Comércio Exterior e pelo MovimentoBrasil Competitivo, teve José Mindlincomo presidente de honra e Fábio Magalhãescomo curador geral.
Texto resumido a partir de reportagem de Evelise GrunowPublicada originalmente em PROJETODESIGN Edição 318 Agosto de 2006

Texto resumido a partir de reportagem de Evelise GrunowPublicada originalmente em PROJETODESIGN Edição 318 Agosto de 2006


Amrik - Presença árabe na América do Sul (Wagner Alves)


CD Eletrola de miriti - (Lu Guedes)


Mostra Favelité - (Paula Delecave)

CD Tudo de novo novamente - (Estúdio Crop, L. A. Salgado)

Marca Art Café (Set Comunicação)

Coleção Enrique Vila-Matas - (Kiko Farkas)

Ambientação Uranus 2 - (Ronia Design)

Identidade visual da Braskem - (Keenwork Design)

Participaram da bienal da ADG 30 trabalhos acadêmicos, como “Registros gráficos na sola do calçado” (Juliana Amaral e Ricardo do Valle, Centro Universitário Positivo, sob orientação de Renato Antônio Bertão)

Vinheta do MTV VMB 2005 - (Fernando Leal)

Coleção Paidéia (Rex Design)

Espaço Nosso Saber Fazer, na 1ª Bienal Brasileira de Design - Foto Rogério Lorenzoni

Produção em Pequena Série - Fotos Rogério Lorenzoni

A 1ª Bienal Brasileira de Design apresentou a mostra especial Charlotte Perriand, com peças do acervo do Museu Georges Pompidou, de Paris.

Design para Melhoria Social e Ambiental

Charlotte trabalhou no escritório de Le Corbusier, com quem desenvolveu móveis tubulares e projetos de interiores

Design para Melhoria Social e Ambiental

Projetos Internacionais

Um Olhar sobre a História do Design Brasileiro, década de 1950 - Fotos Rogério Lorenzoni

Um Olhar sobre a História do Design Brasileiro, década de 1980

Espaço Design Visual